NOTA TÉCNICA: DATA MAGNA DO CEARÁ

Sabe-se que, o dia 25 (vinte e cinco) de março é estimado como Data Magna do Ceará, neste dia aos anos de 1884 (mil oitocentos e oitenta e quatro), o Ceará se tornava a primeira província do Brasil a assinar a abolição. Contudo, para alguns historiadores esse é um processo inacabado e forjado.

Para tanto, apesar de muitos acharem esse feriado importante, entende-se ainda que não há uma cultura de discussão sobre o que o dia realmente significa. Agrega-se ainda que, precisamos entender a diferença entre “escravizado e escravismo” conforme a historiadora Ana Sara Cortez, é importante que deixemos de usar o termo “escravo”. Segundo a autora, o adjetivo coloca a situação de exploração como algo natural. Que os descendentes de africanos e indígenas sofreram no Brasil um processo de “escravização”, onde tiveram seus corpos exaustivamente explorados em prol de produção econômica.

Também para Sara, a libertação dos escravizados no Ceará aconteceu muito mais por pressão e constrangimento estrangeiro do que pelo cuidado com os negros, negras e indígenas, atores importantes na compreensão da história cearense. De acordo com a historiadora, até 1889, mesmo após assinatura da Lei Áurea, que libertava escravizados brasileiros, houve tentativas de manter população africana e seus descendentes sob exploração.

Mediante o exposto, o Núcleo de Educação e Promoção para Igualdade Racial – NEPIR, vem por meio desta nota técnica fazer um convite a reflexões sobre o papel das trabalhadoras e dos trabalhadores do Sistema Único de Assistência na diminuição das iniquidades raciais ainda presentes no Ceará.

Sem mais para o momento, renovamos os votos de estima e consideração.

Juazeiro do Norte – CE, 25 de março de 2020.

Coordenação do NEPIR

Núcleo de Educação Para a Promoção da

Igualdade Racial -SEDEST/

Juazeiro do Norte-CE

Fotos